Projeto: Conhecendo Planalto 4°Ano Professora Edelice

Projeto: Conhecendo Planalto 4°Ano Professora Edelice
Projeto: Conhecendo Planalto I..E.E.P.V 4°Ano Professora Edelice

Histórico do I.E.E.Padre Vitório-Planalto RS




HISTÓRICO DO INSTITUTO ESTADUAL DE
EDUCAÇÃO PADRE VITÓRIO

         
Projeto:Nosso Povo, Nossa Cultura

                 Projeto idealizado pela 
Professora Edelice Bortolini e desenvolvido com os  alunos do 4º ano




INSTITUTO ESTADUAL DE
EDUCAÇÃO PADRE VITÓRIO


Só é cidadão quem conquista o seu lugar
Na perseverante luta de um sonho de uma nação.
É também obrigação: a de ajudar a construir a claridade na consciência de quem merece o poder.
Força gloriosa que faz um homem ser para outro homem,
Caminho do mesmo chão, luz solidária e canção.
Thiago de Mello.





Nas páginas da história estão registrados fatos importantes para o conhecimento de uma cultura. 
Muitas pessoas colaboraram  para construção de nosso município  e uma delas foi o Primeiro Pároco, Padre Vitório Serráglio, que hoje leva o nome da nossa escola:
Instituto Estadual de Educação Padre Vitório.
 Muito temos a agradecer ao nosso Saudoso Padre Vitório, que ao chegar em Planalto não mediu esforços para fazer prosperar esta pequena comunidade. Sua dedicação na orientação espiritual dos fiéis foi um exemplo marcante e quanto a preocupação com a educação dos filhos dos Planaltenses foi extremamente importante na nossa história...
Segundo dados encontrados no livro tombo da Paróquia, nosso Querido Padre Vitório tinha  entrado em contato com diversas congregações com fins de  fundar uma escola. Assim no dia 12 de fevereiro de 1960 chegaram duas Irmãs com a finalidade de dar início as atividades do Ensino em Planalto. Irmã Rosalina Tessari como Irmã Superiora e Irmã Marinês Raiger como Diretora. 
Assim foram iniciadas as atividades em lugares provisórios, casas particulares, ( Pavilhão da Igreja) até a construção do prédio.


   Para que as obras pudessem continuar segundo os planos do nosso Padre Vitório a  Diretora da Escola Normal Regional Rainha dos Apóstolos, convocou uma reunião com os representantes do Comércio , indústria e profissionais liberais com a finalidade de elaborar um plano para reiniciar as obras da construção da segunda  etapa que compreendia o coberto do prédio. Muitos planaltenses compareceram e a doação do Governo do Estado foi bastante favorável.


SOCIEDADE EDUCACIONAL E CULTURAL
ESCOLA NORMAL REGIONAL RAINHA DOS APÓSTOLOS
1965

IRMÃ ROSALINA  TESSARI


INAUGURAÇÃO DA ESCOLA NORMAL REGIONAL 
RAINHA DOS APÓSTOLOS

Nos dias 13,14,15 e 16 de agosto  foi realizada grandiosa festa em favor da Escola Normal Regional Rainha dos Apóstolos. No dia 13 foi programado um torneio com os municípios vizinhos. No segundo dia teve participação do Grupo dos Poloneses com representação alusiva. A noite no pavilhão paroquial houve uma confraternização geral com um show alegre e divertido que uniu a família Planaltense.


1966
       No dia 15 de fevereiro de 1966, criação do 
GINÁSIO ESTADUAL DE PLANALTO


























1966
       No dia 15 de fevereiro de 1966, Planalto exultou de alegria pelo evento da criação do GINÁSIO ESTADUAL DE PLANALTO, no eficiente governo do Senhor Ildo Menegheti, sendo titular da pasta da EDUCAÇÃO E CULTURA o grande amigo de Planalto, o Doutor Lauro Franco Leitão, Deputado Federal. Era necessário apresentar um Diretor e para tanto foi necessário recorrer a alguém que tivesse faculdade e registro, na inexistência da parte do nosso professorado de Planalto foi necessário se dirigir ao Senhor Bispo Diocesano D. João Hoffman, o qual apresentou-nos o Doutor Fiorindo Grassi para assumir o cargo, o qual recusou-se por motivos pessoais, mas mediante a inexistência, aceitou  a título de colaborador. Ficou assim constituído o corpo docente do ginásio:



PADRE FIORINDO DAVID GRASSI
ASSISTENTE DOUTOR  PLINIO CERUTTI




PROFESSORES:
Irmã Celine- Português
Olivetti- Matemática
Magali Cerutti- Ciências
Ana Salvão Pivatto- História
Vanda Marcondes Salvão- Geografia
Padre Vitório Serraglio- Moral e Cívica
Plínio Zart- Educação física
Secretária Irmã Celine

Mais tarde foram acrescentados  ao corpo docente:
                                                              Aldiva Pavoni- Desenho

Carmen Calgaro- Educação Física
Idílio Zamin- Matemática
Irene Travessini(Irmã)- Matemática
Plínio Cerutti (Doutor)- Francês
Rosilde Binotto-(Irmã Celina)- Português


GINÁSIO MUNICIPAL NOTURNO ALBERTO PASQUALINI

Autorizado para funcionamento dia 26 de julho de 1965
Primeiras Professoras:
Vanda Salvon
Ana Pivatto
Aldiva Frozza

Fundação do CPM do Escola Estadual de 1º e 2º Graus Padre Vitório

O CPM  foi fundado em 22/09/66 , retificado em 29/12/72, Publicado no diário oficial em 11/05/73 e registrado em cartório em 15/08/73 ( Nº REGISTRO 4.502/75 e CGC 88531686/0001-09

PRIMEIRA DIRETORIA

Presidente:Genuir Salvão
Vice-Presidente: Argemiro Pereira da Silva
Secretária: Aldiva Maria Pavoni
Segunda Secretária: Edwirges Odorcissi
Tesoureiro: Tanilo Bridi
Segundo Tesoureiro: Germano Basso
Orador Oficial: Plínio Luiz Cerrutti

 DECRETOS:

Decreto de criação; do Primeiro Grau 17685/66
Decreto de Criação do Segundo Grau 24406/76
Portaria de Autorização do primeiro grau 11685/67
Portaria autorização do Segundo grau 05/06/76


CURSOS DE HABILITAÇÕES DESTE PERÍODO:
Auxiliar de Escritório
Técnico em Contabilidade
Magistério
Segundo Grau

Dia 07-12-1969


               Esta data marcou no calendário de Planalto um evento inesquecível: A PRIMEIRA FORMATURA DO GINÁSIO DE PLANALTO. Neste dia foram entregues os Diplomas de Formatura da Quarta série ginasial a quarenta e cinco jovens que cursaram como primeiros alunos do Ginásio Estadual de Planalto. A colação de grau foi feito no Cine Planalto ás 18 horas, sendo antes celebrada uma missa na Matriz pelo Padre Vitório Serraglio. Ao ato solene da entrega dos Diplomas foi convidado oficialmente o Deputado Federal Dr. Lauro Franco Leitão, a quem deve Planalto à criação do GINÁSIO ESTADUAL DE PLANALTO, quando Secretário da Educação e Cultura do Estado.Este, fazendo uso da palavra agradeceu sensibilizada  a distinção que lhe foi dada, sendo convidado para Paraninfo da turma.

 RELAÇÃO DOS ALUNOS FORMANDOS

Adiles Frozza
Aurora Baggio
Carlos Beregula
Celso Kliemann
Custódio da Rosa
Daniel Dario de Mello
Deacir Casaril
Eugênio Milani
Elva Pavan
Gema Zanatta
Jorge Danielli
Jovilde Maria Deliberali
Leda Calgaro
Lidovina Berte
Maria Lúcia Tomiozzo
Maria Terezinha Tamanho
Marlene Dalbem
Nilsa Egger
Nelson Borguesan
Nelcir Basso
Normandina Koslovski
Nestor Deliberalli
Odete Almeida
Onofre Ligoski
Terezinha Vanzetto
Vera Lúcia De Quadros


GINÁSIO ESTADUAL DE PLANALTO
1970- l971


                                      Inauguração do Ginásio de Planalto
10/01/71
Presença do Governador do Estado do RS:General Walter Perachi de Barcelos,
Interventor Federal do Município de Planalto Senhor Genuir Salvão,
Assistente Eclesiástico Padre Vitório Serraglio e Presidente da Sociedade Senhor Valentin Oro.

  
ESCOLA ESTADUAL DE SEGUNDO GRAU ATALAIA
1978

GINÁSIO ESTADUAL JOÃO XXIII
1979

ESCOLA ESTADUAL DE 1º E 2º GRAUS PADRE VITÓRIO
1985
A contar do dia 12 de abril de 1985, iniciou a funcionar a Escola Estadual de 1º e 2º Graus Padre Vitório, conforme portaria número 5775 de 12 de abril de 1985 e retificada pela apostila número 8684 de 19 de junho de 1985.

INSTITUTO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO 
PADRE VITÓRIO
2000

EX DIRETORES(AS)

DO(A)  PRIMEIRO(O) AO ATUAL

 PADRE  FIORINDO DAVID GRASSI

FUNDADOR


FIORINDO DAVID GRASSI

            Nascido em Frederico Westphalen, a 13 de maio de 1921. Completou estudos de Teologia, em cujas aulas só era permitida a língua latina ou o texto grego para a interpretação da Bíblia.
           Em seus primeiros anos de Sacerdócio, atuou, no Rio Grande do Sul, na Catedral de Santa Maria, em Rodeio Bonito e em São Pedro do Sul. Em 1959, bacharelou-se em Letras Neolatinas.
             Em 1964, bacharelou-se em Direito pela Universidade de Santa Maria-RS.


Padre Vitório Serráglio

Padre Vitório Serraglio - Planalto
Data de Nascimento: 01/06/1913
Data de Ordenação: 20/12/1942
Data de Óbito: 25/03/1982

 Padre Vitório Serráglio


                Padre Vitório Serráglio nasceu no dia primeiro de junho de Mil novecentos e treze na cidade de Casca Rio Grande do Sul.Filho de Rosa Gasparin e Francisco Serráglio. Ordenado Padre no dia 20 de dezembro de 1942.Trabalhou como padre em Erechim, Iraí e outros municípios.  
           Agosto de 1951, por ordem de Dom Antônio Reis Bispo diocesano com consentimento do Reverendo Padre José Borgert, pároco de Iraí foi construída a a casa canônica.14 dias do mês de maio de 1953.
        Padre Vitório Serraglio  é nomeado Pároco da cidade de Planalto pelo bispo diocesano Dom António Reis da Diocese de Santa Maria Fundada no dia 14 de maio de 1953, onde em mesma data foi nomeado o primeiro Pároco da Matriz, Padre Vitório Serraglio. 
               A comunidade de Planalto  foi crescendo e a Igreja era o centro das preocupações em relação a vida espiritual, religiosa e educacional. Padre Vitório percebeu que  seu rebanho também precisava de locais especiais para a educação dos Planaltenses. Entrou em contato com várias congregações religiosas.                                    Depois de tanto tempo de espera por respostas positivas, no dia 12 de fevereiro de 1960 chegou duas das irmãs do Divino Salvador a Planalto para iniciar as atividades de ensino. A preocupação era  onde seriam ministradas as aulas.O  Estado alugou  o pavilhão da Igreja na qual deveriam fazer as reformas necessárias para adaptar ao desejado trabalho de educar e evangelizar.
                Padre Vitório não desanimava em buscar recursos e  profissionais capazes para orientar as crianças e jovens do nosso município, trabalhou sempre para o bem do povo, mesmo sendo contrariado, não deixou de cumprir sua missão até  vir a falecer no dia 25/03/1982. Foi uma pessoa honesta, competente, humilde e  sua dedicação ao trabalho contribuiu muito para que esta escola ficasse marcada para sempre na história de nosso município, pois é a única que oferece ensino fundamental e médio completo.
            Portanto nossa Escola tem o nome da pessoa que deu o primeiro passo  para Planalto ter uma das melhores escolas da região. INSTITUTO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PADRE VITÓRIO.
                                           Agradecimentos eternos ao Saudoso Padre Vitório
                                   De todo povo Planaltense, principalmente da comunidade escolar.

 ANA MARIA SALVON  PIVATTO

02/03/1966 Á 04/05/1970

Ana Maria Salvon Pivatto

          Ana Maria Salvon Pivatto nasceu no município de Encantado na Localidade de Itapuca no dia 07 de dezembro de 1932, filha de Luiz Salvon e Antonia Sotilli. Casada com Fermino Pivatto tendo quatro filhos, seis netos e oito bisnetos. 
          Cursou o Normal  formando-se na Escola Bandeirantes de Guaporé em 1956. Magistério em Palmeiras das Missões. Em 1980 cursou Pedagogia na Universidade de Passo Fundo. Aos 14 anos de idade passou a lecionar particular para substituir professores. 
             Aos 15 anos fez concurso para professora no Município de Encantado, assumiu em março de 1948 e trabalhou naquele município até dezembro 1955.
           Quando se mudou para o município de Planalto que antes pertencia a Irai,  lecionou até julho de 1956.Em julho de 1956 passou a trabalhar para o estado, assumindo várias atividades. De julho a janeiro de 1984 sempre trabalhou no município de Planalto. Escola Estadual de Planalto, hoje Bom Pastor foi a primeira Professora e Primeira Diretora, na qual passou muitas dificuldades pois não havia professores suficiente. 
       Mais tarde quando foi criado o Ginásio Estadual de Planalto também foram encontradas várias dificuldades, a falta de professores titulados falta de prédio no início. Foi escola vespertina por falta de espaço as aulas eram dadas no prédio onde se situa o Restaurante popular, após as aulas do primário as outras turmas passavam ater aulas no mesmo local. Mais tarde Mais tarde reuniram-se a Direção e a supervisora das Irmãs em Porto Alegre para fazer um acordo com o Governador, ficando determinado que o Colégio passasse para Ginásio Estadual em troca as irmãs receberiam outro local. Daí por diante as coisas começaram a melhorar com o esforço de todos. 
         Aposentou-se como especialista em Educação Supervisão Escolar. Trabalhando durante 36 anos como professora, diretora, vice, coordenadora entre outras.
   Hoje com 80 anos de idade diz sentir muito orgulho dos seus alunos e também professores, que trabalhavam para o engrandecimento de nossa escola e principalmente do nosso povo. 

Agradecimento especial  a Querida Mestra  Senhora Ana Maria Salvon Pivatto,pela colaboração e atenção.
 Muito Obrigado!

OTACÍLIO VANZIN
04/05/1970 Á 28/02/1973


Otacilio Vanzin

                Nasceu em 19 de novembro de 1946, no então Distrito de Nova Roma(Atual Nova Roma do Sul). Município de Antonio Prado. Filho de Jacques Vanzin e de Josefina Rigo Vanzin. Teve três irmãos: Arlindo, Valdir e Ruben.     
                Fez seus estudos na Escola Municipal Padre José Bem na Linha Paranaguá, Escola Pio X (Nova Roma do Sul). Seminário Nossa Senhora Aparecida ( Caxias do Sul). Seminário da Nossa Senhora Imaculada Conceição (Viamão). 
           É Licenciado em Filosofia pela Universidade de Passo Fundo 1969.Pedagogia, habilitação em Administração Escolar, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Ciências Jurídicas e Sociais, pela Universidade de Cruz Alta. 
             Possui especialização em Metodologia do Ensino de Primeiro Grau e em História Regional, pela Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões, Campus de Frederico Westphalen, RS. 
              É mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina. Exerceu atividades educacionais como Professor de História no Ginásio Estadual de Planalto, Ginásio João XXIII, Escola de Segundo Grau Atalaia, Escola Padre Vitório, todas de Planalto, onde também foi Diretor. Ainda foi Diretor da Escola Polivalente de Palmeira das Missões, de 1973 a 1977. Foi Vereador da Câmara Municipal de Planalto e Prefeito Municipal de Planalto, no período de 1989/1992.
           Casou-se com Jovilde Maria Deliberali Vanzin, com quem teve os filhos Régis Adriano Vanzin, atualmente Juiz de Direito da Comarca de Frederico Westphalen,e Rochele Vanzin Bigolin, Procuradora Federal atualmente em exercício na Advocacia Geral da União em Chapecó, Santa Catarina. É advogado militante em diversas comarcas do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.
            É professor Universitário, com exercício na URI, Campus de Frederico Westphalen, desde 1994, lecionando as disciplinas de Direito Civil, Teoria Geral do processo e História do Direito.
                                 Agradecimento especial ao Doutor Otacílio Vanzin,pela compreensão.
                                                             Muito Obrigado!

VALDIR VANZIN
01/03/1973 Á 13/07/1982

   Valdir Vanzin

         1. DADOS PESSOAIS
         Valdir Vanzin, nasceu em 14 de junho de 1948, em Nova Roma do Sul, então distrito de Antonio Prado, Estado do Rio Grande do Sul, filho de Jacques Vanzin e de Josefina Rigo.
         É neto de imigrantes italianos.
         Desde os 08 anos de idade até os 17 anos sempre ajudou os pais na agricultura, durante as férias escolares e no turno que não frequentava as aulas.
          2. ESCOLARIDADE
         No ano de 1956 iniciou seus estudos numa escola municipal, do meio rural, com única professora em classe plurisseriada (1º a 4º ano do ensino primário). Na época para poder se matricular na escola o aluno devia ter 07 anos já completos.
         Quando começou frequentar a escola já sabia ler e escrever, por influência de sua mãe, a qual possuía dois irmãos que eram da congregação marista e incentivavam a alfabetização e a leitura desde cedo.
         Nos dois primeiros anos de escola ainda era usada pedra de lousa para escrever, fazer exercícios, caligrafia, contas. Não existiam cadernos, caneta nem lápis. A professora passava o tema na pedra, de aluno por aluno ou, então, quando já alfabetizado, o aluno copiava do “quadro-negro”. Livros, geralmente, só a professora tinha.
         Dois anos depois, surgiram os cadernos e o lápis. Mais tarde, passou-se a usar caneta-tinteiro ( tinha que ensopar,  a cada palavra ou duas no máximo, a “pena” com bico – caneta seca - num vidrinho que possuía tinta – o lambuzo era grande, nas mãos e roupas)
         Na época a repetência e a evasão escolar eram muito acentuadas, porque os pais precisavam dos filhos para a lavoura.
         A maioria dos alunos quando sabiam ler, escrever e dominar, mal e mal as quatro operações aritméticas, desistiam da escola e iam ajudar os pais no trabalho da “roça”.
         A merenda escolar cada um levava de casa. A limpeza da escola era feita pela professora, ajudada por alguns alunos que ela escolhia.
         A aprovação de um ano para outro (hoje, séries), dependia de um exame final oral e escrito que era aplicado por uma equipe que vinha da Secretaria Municipal de Ensino, no final de cada ano. Não existiam provas mensais ou bimensais na escola.
         As escolas municipais só abrangiam até o 4º ano primário.
         Terminado este, com aprovação, os raros alunos que quisessem seguir os estudos tinham que se submeter a um terrível “exame de admissão” ( pior que um vestibular concorrido) para o 5º ano primário, somente oferecido por escassas escolas estaduais ( duas ou três por município!) que existiam na época, estas com professores formados (Normal = Magistério) e um professor por ano (série).
         Prestei o exame de admissão, com aprovação e cursei o 5º ano primário na Escola Rural Estadual Major Miranda, no distrito de Nova Treviso. O percurso diário era de 06 quilômetros, a pé ou a cavalo, quando os pais não necessitam do animal para o trabalho de lavoura.
         Concluído o 5º ano primário (que foi repetido, apesar de aprovado, porque não tinha idade para ingressar no curso Normal: tinha de completar 14 anos até a metade do ano)), eis que meu sonho era ser professor e, para continuar os estudos, havia a necessidade de me submeter a um exame de seleção ( igual a um vestibular) e ir para outra cidade, onde existisse escola para tal. A maioria das poucas escolas que ofereciam o curso ginasial ou o Normal (equivalente ao Magistério, hoje) eram de congregações religiosas. Fui aprovado para cursar o Normal Rural, na Escola Normal Rural Murialdo, em Ana Rech – Caxias do Sul.
         Iniciei o curso, que era de quatro anos, em regime de internato. O Governo do Estado à época, para quem ingressasse naquele curso dava uma “bolsa de estudo” que quase cobria todos os custos do curso. Se o aluno “rodasse”, perdia a bolsa de estudo.
         A rotina diária, naquele colégio era mais ou menos a seguinte: 5h15min acordar; 5;30h missa; 6;30 até 7;30, estudo e leitura em biblioteca (em silêncio); 7;30h café; das 8;00 às 11;45 aula (04 aulas de 50 min., com um intervalo – recreio entre a 3ª e 4ª aula (períodos); ao meio dia almoço; das 12;30 às 13;30 folga (recreio); das 13;30 às 17;15 aulas (repetindo o esquema da manhã), isto dois dias por semana, duas tardes por semana eram dedicadas às práticas agrícolas e pecuárias;
           Uma tarde por semana havia duas horas de estudo (fazer os temas da semana e estudar para as provas mensais (que eram escritas e orais), na época, “sabatinas” e, depois, duas horas de esportes; às 17;30 até as 18;30 era horário reservado para banho (todos),e corte de cabelo, dentista, médico, orientação psicológica p/quem precisasse destes serviços (era feita uma escala); às 18;30 reza do terço seguida de orientações formativas; às 19;30 janta, seguida de uma hora e meia de recreio (esportes); às 21;00h repouso (ir dormir).
         Aos sábados mesma rotina dos outros dias até as 8;00 horas e após, até as 10;00 horas estudo; das 10;00 ao meio dia cinema. À tarde,após o almoço, recreio até as 14;00 horas e passeio a pé ou de ônibus a diversos locais. À noite, após janta, jogos (Esportes).
         Aos domingos despertar uma hora mais tarde dos dias da semana,  café, missa na paróquia ( e não na igreja interna do colégio), esportes, almoço. À tarde geralmente quando a seleção do colégio não jogava futebol contra equipes convidadas ou visitadas, ia-se ao centro de Caxias do Sul assistir os jogos do campeonato gaúcho do Flamengo (hoje Caxias) e Juventude, especialmente quando fosse contra a dupla grenal ou outras  partidas contra grandes  times do centro do país.
         No currículo escolar (grade) além das disciplinas (matérias) tradicionais e básicas (Português, matemática, ciências, etc...) havia disciplinas de formação geral e específicas para o magistério, tais como: latim, filosofia, sociologia, inglês, música e canto, literatura, zootecnia, agricultura, técnicas agrícolas e pecuárias, primeiros socorros, artes e desenho, pedagogia, psicologia, didática, puericultura, práticas de ensino, e outras.
         Assim, no final do ano de 1965, concluí o curso e recebi o diploma de professor primário rural. Confesso que mais de metade da minha cultura geral ( formação e conhecimentos) obtive naquele curso, porque além de ter duração de 04 anos, a carga horária era bastante elevada, os professores de ótima qualidade e havia muito estudo e leitura.
         ( Observação: Na época, sair de casa para estudar era considerado “loucura”, no entender da maioria, a não ser que fosse para seguir uma carreira religiosa).
         No final do ano de 1965, após ter concluído o Normal, meus pais resolveram mudar de residência. Venderam sua propriedade e foram para Santa Cruz, distrito de Planalto-RS, porque lá eu já tinha um irmão lecionando (Arlindo) que fez o mesmo curso que concluí ( no mesmo colégio) e existia uma escola adequada para minha formação profissional: Escola Rural Isolada de Santa Cruz ( com turmas de 1º a 5º ano primário).
         Nesta escola lecionei dois anos e meio (1966, 1967 e até a metade  de 1968, quando fui transferido, por falta de professores, para o Grupo Escolar Bom Pastor de Planalto).
         No meio turno que não lecionava eu trabalhava do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Planalto, cuja sede era em Santa Cruz. Fui o seu primeiro funcionário.
         Quando fui transferido para Planalto, o referido sindicato colocou um escritório na cidade de Planalto que eu atendia no turno que não lecionava. Mais tarde a sede do sindicato foi para Planalto.
         Neste ano de 1968, em razão de o curso normal ter perdido a equivalência com o ensino médio, para poder ingressar no curso superior tive que me submeter às provas das matérias do Ensino Médio (art. 99, da Lei de Diretrizes e Bases da Educação). Fiz as provas, no Colégio Mantovani de Erechim e fui aprovado.
         No ano de 1969 iniciei o curso de Letras, em regime de férias, cujas aulas eram em dezembro (15 dias), janeiro, fevereiro e julho, na Universidade de Passo Fundo (aulas: manhã, tarde e às vezes à noite).
         Neste mesmo ano, 1969, por estar cursando Faculdade, fui contratado para lecionar no Ginásio Estadual de Planalto (abandonei o primário) . Na época era muito difícil arrumar professor para o curso ginasial ou médio, tanto assim que havia muitos professores que somente com o Ensino Médio (2º Grau) lecionavam no Ginásio. Quem estivesse cursando uma faculdade de educação tinha vaga certa.
         Mesmo lecionando em Planalto, continuei morando em Santa Cruz até o final do ano de 1974. Quase metade dos professores do ginásio eram de Santa Cruz*, por que lá foi incentivado muito a continuidade dos estudos aos alunos ( trabalho nosso!). Quase a outra metade de professores vinham de Irai e alguns de Frederico Westphalen. Da cidade de  Planalto, eram poucos.
         De Santa Cruz, tinha uma Kombi que levava e trazia os professores para Planalto, nos três turnos: manhã, tarde e noite.
         * ( Professores que moravam em Santa Cruz, à época: Valdir Vanzin, Ivo Danielli, João Valdevir Deliberali, Jovilde Deliberali, Dilva Danieli, Nadir Bortolini, Vitalina Bortolini , Ivo Bortolini., Rubem Vanzin, Getúlio Lazzari, Claimar Lazzari, Odair Zanatta, Darcilo Luiz Pauletto, Gema Zanatta)
          No início do ano de 1973, estava estudando em Passo Fundo quando recebi um telefonema que deveria me apresentar aos órgãos da Secretaria Estadual da Educação para assumir a direção do Ginásio Estadual de Planalto, eis que o diretor da época (prof. Otacílio) fora convocado para assumir a direção de uma escola estadual em Palmeira das Missões. Assumi a direção em 1º de março.
             A missão foi árdua e um grande desafio.
         Primeiro, porque não havia salas de aula suficientes e, em segundo, por que houve naquele ano e em 1974, um aumento muito crescente de matrículas. Quase dobrava o número de alunos de um ano para outro. Além disto os professores faltavam muito.
         O Ginásio Estadual de Planalto funcionava até 1972 e nos primeiros meses do ano de 1973, em três locais: Grupo Escolar Bom Pastor, no Pavilhão da Igreja e na antiga Prefeitura ( em frente o CTG, ao lado do Fórum).
         Ante este quadro, a primeira providência foi gestionar junto aos órgãos estaduais a construção de prédio próprio e adequado para o ginásio. Finalmente, aconteceu em 1973, a construção do prédio escolar, onde era um colégio de irmãs religiosas (houve uma negociação entre Estado, Prefeitura e as irmãs que possibilitou esta conquista).
         Conseguido o prédio, que possibilitava a atender a demanda de alunos ( funcionava em três turnos), iniciei a luta para conseguir o 2º Grau, para Planalto, porque os alunos que concluíam o ginásio, se quisessem estudar tinham que ir para Irai, Frederico, Passo Fundo, Erechim e outras cidades.
         Após dezenas e dezenas de idas a Porto Alegre e à Delegacia de Ensino (Palmeira), inúmeros projetos e aquisição de inúmeros equipamentos, finalmente, no ano de 1974, foi conseguido o 2º Grau, porém, como extensão do Colégio Estadual José Cañellas, de Frederico Westphalen. Inicialmente, foi obtida a autorização para dois cursos: Técnico em Contabilidade e Auxiliar de Escritório.
         No início do ano de 1975, fui morar em Planalto, porque se tornou inviável o deslocamento diário (às vezes nos três turnos) e neste ano, a luta foi conseguir a instalação de escola autônoma, deixando de ser extensão, o que foi obtido. Passou a denominar-se Escola Estadual de 2º Grau Atalaia e mais tarde, Escola Estadual de 1º e 2º Graus de Planalto (houve a unificação com o ginásio) e, posteriormente, Escola Estadual de 1º e 2º Graus Padre Vitório.
No ano de 1.976, para atender a demanda da necessidade de professores para as escolas municipais, também depois de muita luta, foi conseguida a autorização para funcionamento do Curso de Magistério. Na época estas autorizações passavam por um crivo muito rigoroso e dependiam de aprovação pelo Conselho Estadual de Educação.
Nestes anos (73 a 76) a maior dificuldade era arranjar professores habilitados para lecionarem nestes cursos, mas mesmo assim, a Escola Padre Vitório na última metade década de 70 e início dos anos 80, era considerada uma escola modelo no Estado do Rio Grande do Sul, não só pela qualidade de seu ensino, mas também pelo seu envolvimento social em atividades culturais, cívicas e esportivas.
Após estas conquistas, uma nova luta foi encetada, conseguir um ginásio de esportes para atender à escola e também à comunidade, porque não existia nenhum na cidade. Mais uma vez deu certo e obtido o intento.
         No ano de 1.978, foi entregue o ginásio de esportes.
         Quanto a mim, no início do ano de 1976, após ter concluído a Licenciatura Plena de Letras, prestei vestibular para o Curso de Direito, na Universidade de Cruz Alta, tendo sido aprovado. No ano de 1980 concluí aquele curso ( A freqüência era livre, porém existia uma turma especial para os que não morassem em Cruz Alta, com aulas sexta-feira à noite, sábado manhã e tarde e provas bimestrais domingo de manhã).
         Mais tarde, em 1993 iniciei o curso de especialização em Direito (pós-graduação) pela Universidade Federal de Santa Maria, com aulas sextas à noite e sábados.
         Do Ano de 1.994 a 1996, cursei o doutorado em Direito, pela UMSA, de Buenos Aires em convênio com a UCPEL. As aulas eram em regime de férias (janeiro, fevereiro e Julho). Fui aprovado em todas as disciplinas. Apresentei tese de doutorado mas não fiz sua defesa, porque o MEC não reconheceu o curso, embora houvesse garantia anterior de que seria reconhecido.
         Voltando à Escola Estadual de 1º e 2º Graus Padre Vitório, continuei sendo diretor daquela escola até março de 1983, quando completei exatos 10 (dez) anos ininterruptos de direção.
         Apesar de não ter obrigação de lecionar, na condição de diretor, sempre lecionei, em ao menos duas turmas.
         Nesta escola fui sempre professor de Português, tendo lecionado também, Língua Inglesa, Estrutura e Funcionamento do Ensino ( para o curso de Magistério), Direito e Literatura Brasileira.
         Após ter deixado a direção da escola continuei lecionando até completar 30 anos de magistério estadual, quando solicitei aposentadoria.
         3. OUTRAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS  E SOCIAIS:
         Nas férias de 1977 e 1978, lecionei num curso especial de Magistério (só para professores que não tivessem titulação), em Nonoai, sendo este curso coordenado pelo Colégio Bom Conselho de Passo Fundo.
         Em março de 1994, com a abertura do Curso de Direito em Frederico Westphalen (URI) iniciei o magistério jurídico, atividade que exerci naquela instituição por 12 (doze) anos.
         No ano de 1999 iniciei, também, o magistério jurídico no Curso de Direito da Univel, de Cascavel-PR, onde trabalhava profissionalmente desde o fim do ano de 1995.
         Todos os fins de semana me deslocava para Frederico Westphalen (sexta e sábado) para lecionar na Uri e sábado à tarde e domingo ficava com a família que residiu em Planalto até o início do ano de 2.001, quando transferi a residência da minha família para a cidade de Cascavel-PR.
         Embora já residindo em Cascavel, ainda continuei lecionando na URI, no fim de semana até fins de julho de 2.005.
         Do ano de 1980 em diante, paralelamente ao magistério, sempre exerci a advocacia.
         Afora o magistério, que o abandonei no fim do ano de 2.007, após completar 42 anos daquela atividade (incluindo o ensino estadual e jurídico), ainda desempenhei inúmeras outras funções, dentre elas destaco pela ordem cronológica:
         No primeiros anos que morei  em Santa Cruz fiz parte da diretoria da JAC (Juventude Agrária Católica), mais tarde fui eleito presidente do Esporte Clube União de Santa Cruz, quando formei um grupo de teatro que fazia apresentações em diversas localidades, com o fim de angariar fundos para concretizar o projeto de construção de um ginásio de esportes naquela comunidade, o que veio a acontecer.
         Naquela comunidade, por alguns meses, também lecionei gratuitamente para o Mobral ( à noite).
         Fui vereador e líder de bancada, em Planalto, por seis anos;
         Dirigente partidário por mais de 15 anos;
         Fui integrante da Câmara Júnior por alguns anos;
         Membro do Conselho Deliberativo (por diversos anos) e Presidente da Sociedade Aquarius Tênis Clube de Planalto;
         Preside da Sociedade Esportiva Planalto, por uma gestão;
         Assessor Jurídico do Município de Planalto (04 anos), Alpestre (04 anos) e Ametista do Sul (02 anos).
         Fui assessor jurídico da COOGAMAI ( Cooperativa dos Garimpeiros do Médio Alto Uruguai), quando tive oportunidade de elaborar seu estatuto de fundação e legalizar todos os garimpos da região. Se isto não tivesse sido feito, hoje ninguém poderia garimpar e, possivelmente, os garimpos estariam nas mãos de apenas algumas firmas, talvez estrangeiras.
            Para completar, casei no ano de 1976, com Dilva Danielli, tivemos três filhos: Namur Daniel, Raquel e Isabel, todos com formação superior e casados.Tenho 04 lindos e inteligentes netos.

              Na minha vida, em Planalto (mais de 35 anos), ainda sempre sobrei escasso tempo para praticar esportes: futebol, depois tênis, mais tarde voleibol e, por fim, bocha (que esta ainda continuo hoje).
Agradecimento especial ao  Doutor Valdir Vanzin e famílares pela compreensão.
 Muito Obrigado!

DENIS ZANELLA
02/08/1977 19/12/1985

Denis Zanella
          Denis Zanella, nasceu no dia 15 de março de 1944 na cidade de Garibaldi-RS. Logo nascido, foi morar em Sarandi-RS. Em 15 de maio de 1951 a família mudou-se para Planalto. Com 15 anos foi para Carazinho-RS. Em 1960 e 1961 estudou no Seminário Cerro da Caridade em Santa Maria –RS. No final do ano de 1961 saiu do Seminário e foi estudar em Erechim-RS. Em 1963 foi para o quartel em Alegrete-RS e completou o Ginásio. Em 1964 foi para Passo Fundo, onde trabalhava de dia e estudava a noite no Colégio Conceição  e lá concluiu o Curso de Contador. Em 1966 retornou para casa de seus pais em Planalto. Na época a Diretora Ana Maria Salvão Pivatto precisava de uma pessoa com o Colegial completo  para ser professor. Antes de ser contratado, foi para Betin –MG,  fazer um Curso de Técnicas Agrícolas custeado pelo MEC  e  USAID, para estar capacitado para exercer  a função de professor. Em março de 1967 no retorno de Betin-MG foi para Porto Alegre-RS, assinar seu contrato na Secretaria de Educação e a partir daí, exerceu a função de professor  de Técnicas Agrícolas e Matemática. Em julho de 1977, foi designado Vice-diretor do Ginásio Estadual de Planalto-RS. Em 1977, designado para exercer a função de Diretor do Ginásio. Neste período  o Ginásio passou por várias mudanças de nome. Para saber: Denis Zanella foi o único Diretor da Escola Estadual João XXIII de 5ª a 8ª série. Deixou de ser Diretor da Escola em 19 de dezembro de 1985. Na época então a escola já se designava como Escola Estadual de 1º e 2º Graus Padre Vitório. Em 1987 pediu demissão e passou a atuar somente como empresário. Em 1987, fez um Curso custeado pela Secretaria de Educação, em Israel. Nessa viagem conheceu também escolas na Itália, Grécia, Egito e Turquia.
      Salienta-se que o Instituto Estadual de Educação Padre Vitório de hoje, foi um desafio, e uma grande alegria na vida de Denis. Na educação pleiteava um mundo melhor para os jovens da época. Hoje a grata sensação de dever cumprido.
Queremos agradecer a Senhora Nelbi Zanella, esposa do Senhor Denis Zanella,  por ter colaborado com este trabalho nos enviando fatos importantes para acrescentar e enriquecer a  história de nossa escola.  Nosso muito Obrigado!

ARTEMIO ANTONIO TIBOLA
13/07/1982 Á 19/12/1985




OTACÍLIO VANZIN
20/12/1985 Á 15/12/1988

ARTEMIO ANTONIO TIBOLA
15/12/1988 Á 15/12/1991

CLEIDE ALVES SIGNOR
15/12/91 Á 15/12/1994

Cleide Alves Signor

           Cleide Alves Signor, nasceu no dia sete de fevereiro de 1952. Casada com Francisco Natal Signor. Mãe de 3 filhos: Luciana Signor, Omair Alves Signor e Juliana Signor
      Professora Aposentada desde julho de 1997. É Consultora do Projeto de Extensão “Apoio ao Desenvolvimento da Educação Básica em Redes Municipais de Ensino no Estado do Rio Grande do Sul para a realização da atualização do Plano de Ações Articuladas –PAR,( 2011-2014), assim como participação em pesquisa que vem sendo desenvolvida no âmbito do projeto. UFRGS/MEC-FNDE.     Formação:  Licenciatura Plena em Letras Inglês e Literatura Inglesa na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras -  Palma / PR. 1996  Pós-Graduação em LetrasEnsino de Inglês como Língua estrangeira Universidade do Oeste de Santa Catarina – Chapecó / SC.
Histórico Profissional
1976 - 1977 Prefeitura Municipal de Planalto
Planalto – RS Secretária Municipal de Educação e Cultura.
1978 – 1992 Escola Estadual de Ensino Médio Padre Vitório
Planalto – RS Professora da Língua Inglesa.
1992 – 1995 Escola Estadual de Ensino Médio Padre Vitório
Planalto – RS Diretora de escola.
1995 – 1997 Escola Estadual de Ensino Fundamental Mario Quintana -     CIEP Planalto – RS Diretora de escola.

1999 – 2002 Secretaria da Educação do Estado do Rio Grande do Sul
Porto Alegre – RS Assessora Técnica – responsável pelo Plano de Expansão de escolas do Ensino Médio.
2003 Instituto Interamericano de Cooperação para Agricultura - IICA
Porto Alegre – RS Consultora – desenvolvendo propostas e ações educativas com agricultores familiares na construção de alternativas culturais.
2007 - 2008 Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) . Consultoria - elaboração de PAR dos Municípios e Estados do Norte e Nordeste em conjunto com seus dirigentes de educação: o diagnóstico da situação educacional local, e o Plano de Ações Articuladas para a Educação Básica.
-Análise de PAR Municipais e Estaduais dentro do Programa Todos pela Educação.-MEC/FNDE/UFRGS
2009 - 2010 Coordenadora do Projeto de Extensão “Apoio ao Desenvolvimento da Educação Básica em Redes Municipais de Ensino dos Estados de Alagoas e Paraíba para a realização do monitoramento do Plano de Ações Articuladas –PAR, assim como participação em pesquisa que vem sendo desenvolvida no âmbito do projeto.-UFRGS/MEC-FNDE
Cursos/Congressos
            1998  Curso de extensão para aperfeiçoamento da didática da Língua      Inglesa. Internexus Center for Language Studies - New York City, New York
Junho 1999 V Congresso Nacional de Supervisores Educacionais e X
Encontro Estadual de Supervisores Educacionais – FENERSE
Canoas – RS
Junho 1999 Seminário Estadual de Resgate de Práticas Pedagógicas
das Administrações Populares
Porto Alegre – RS
 Outubro 1999 XXV Seminário Regional de Educação “O Ensino

Médio à Luz do Novo Fazer Pedagógico”.Porto Alegre - RS
Novembro 1999 I Seminário Estadual de Avaliação do MOVA/RS
Porto Alegre - RS
Agosto 2000 Conferência Estadual da Educação – RS
(Comissão Organizadora)Porto Alegre - RS
Outubro 2000 VI Encontro Nacional da TV Escola
Secretaria de Educação à Distância / MEC Fortaleza - CE
Novembro 2000 I Curso de Formação Continuada: Aplicando os princípios e conceitos do novo Ensino Médio no Desenvolvimento Curricular Brasília – DF
Novembro de 2007 a Dezembro de 2008 –Participou da ação de extensão universitária-modalidade PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: CONSULTORIA,ASSESSORIA, APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NA REDE ESTADUAL E EM REDES MUNICIPAIS DE ENSINO DO RS.
Abril de 2008 a Dezembro de 2008 –Apoio Técnico à  Faculdade de     Educação/UFRGS:Análise de planos de ações articuladas de municípios

Brasileiros.

Agradecimento especial à  Querida Mestra Senhora Cleide Alves Signor, Muito Obrigado!

ONOFRE LIGOSKI
15/12/1994 Á 15/12/1997

ODAIR ZANATTA
15/12/1998 Á 15/12/1999

                                                       Biografia Odair Zanatta

           Odair Zanatta  nasceu no dia trinta de  junho de Mil Novecentos e Cinquenta e Um. É natural da cidade de Nova Brécia estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Filho de Olímpio Zanatta e Cristina Zanatta.
             Aos seis anos de idade no ano de Mil Novecentos e Cinquenta e oito radicou residência em Santa Cruz Planalto juntamente com a família.
         Casou-se com a Senhora Neri Dalbosco Zanatta no dia catorze de janeiro de Mil Novecentos e Setenta e oito, teve quatro filhos ,(Marcelo, Maurício,  Marta Cristina e Mateus Dalbosco Zanatta), e três netos.
         Estudou em Santa Cruz, Marcelino Ramos, Passo Fundo, Estrela e Frederico Westphalen.
         Exerceu a profissão de Professor, Diretor de Escola e Vereador no partido PSDB
       Pertenceu a várias entidades, Grupo de Escoteiros Jandaia, Amigos do Bairro Cristal, São Miguel  e CTG Querência do Cristal.


RUBEM VANZIN
15/12/2000 Á 15/12/ 2004
Biografia
Rubem Vanzin

               Rubem Vanzin, nascido em Nova Roma do Sul estado do Rio Grande do Sul, a 25 de março de 1953. Filho de Jacques Vanzin e Josefina Rigo Vanzin. Casado com Sueli Sorolli Vanzin no dia 15 de fevereiro de 1982, na Igreja Matriz Nossa Senhora das Graças. Teve dois filhos Pricila Vanzin (casada com Sidinei)  e Ezequiel Vanzin.
            Aos 11 anos estudou na Escola dos Padres  Capuchinhos em Vila Flores. Foi coroinha, auxiliar de trabalhos na horta, pertenceu ao time de futebol do seminário.
             Formou-se em 1974 na Universidade  UNIJUI no Curso de Ciências. Em 1977 formou-se na PUC, onde completou o Curso, Comércio e Serviços.
               Foi Presidente da Paróquia Nossa Senhora das Graças por 4 anos. Diretor do Instituto Estadual de Educação Padre Vitório por duas gestões. Sócio do Ginásio de Esportes de Planalto e  Aquários Tênis Clube. Professor de Ciências e Física durante 40 anos.
          Faleceu no dia 02/01/2009, sepultado no cemitério de Planalto.

Agradecimento especial a Senhora Soeli Vanzin (esposa), pela colaboração, Nosso Muito Obrigado!

     Ruben Vanzin, foi uma pessoa maravilhosa, simples, amoroso, paciente, deixou marcas como ótimo professor  recebendo troféu de melhor professor de física.  Foi uma pessoa humilde, sua dedicação ao trabalho contribuiu muito para que esta escola ficasse marcada para sempre na história de Planalto. Durante sua gestão recebeu dois certificados de melhor escola e melhor Diretor.

Se vocês quiserem ser felizes, 
procurem amar e respeitar os outros e a si mesmo.
Isso nos deixa de bem com a vida.


Esta mensagem foi deixada pelo Diretor Ruben no ano de 2001
 numa entrevista realizada no dia, 09/11 na sala da 1ª série Professora Edelice.


Querido Amigo, Diretor e  Professor Ruben !

Despedida, uma palavra pesada,cheia de emoções.Queremos 

deixar nossa homenagem a esta pessoa maravilhosa que contribuiu

 muito para que nossa sociedade se tornasse cada vez 

melhor.Sabemos que "pessoas boas, não morrem, ficam 

encantadas", como diz Guimarães Rosa.É  assim, suas atitudes, 

seu carisma, sua dedicação, suas palavras, seu sorriso estão 

encantados e permanecem conosco.


Com carinho

Professora Edelice e alunos do 4º ano.


 CATARINA ZEFIRA RODRIGUES
15/12/ 2004 Á 15/12/ 2006





                           MARIA CRISTINA ROSSI CURTI
15/12/2006 À 15/12/2012
                                                     

Maria Cristina Rossi

              Maria Cristina Rossi nasceu na cidade de Planalto Rio Grande do Sul  no dia  01  , de março de 1966, sendo filha de Antônio Rossi e Lourdes Rossi. Casou-se com Plinio Luís Curti em 08 de fevereiro  de 1986 na cidade de Planalto. Tendo  dois filho : Lucas Rossi Curti, estudante do Curso de Piloto Privado e Comercial e Nicolle  Rossi Curti, com pretensões de fazer o Curso de Odontologia, frequenta  Cursinho em Chapecó. Estado civil atual divorciada.
          Cursou no Instituto Estadual de Educação Padre Vitório o Curso Magistério, Estudou nas Universidades UNIJUI, URI, UNOCHAPECÓ, formada em História (Pós Graduada).
           Pertenceu a entidades culturais como: CPM, Conselho Escolar, Grêmio Estudantil, e IBGE. Exercendo o cargo de Professora e Diretora na Escola Bom Pastor, Diretora e Professora no Instituto Estadual de Educação Padre Vitório e também foi Secretária Municipal de Educação.
         Sempre trabalhou em prol da educação, eterna apaixonada pela profissão. Coloca em primeiro lugar, respeito, diálogo e compreensão. Acredita no potencial do ser humano e está sempre em busca de crescimento pessoal, intelectual e profissional. 


Agradecimento especial à Professora Maria Cristina Rossi, Nosso Muito Obrigado!



ATUAL DIRETOR SÉRGIO GIROLDI
15/12/2013 À 15/12/2015




Sérgio Giroldi

      Sérgio Giroldi, filho de Leonório Giroldi e Antônia Fossá Giroldi, nascido em 22 de maio de 1951, na cidade de Guaporé-RS. Sua família chegou na cidade de Planalto no ano de 1957, fixou residência na Avenida Duque de Caxias, estudou em uma sala improvisada na casa da Professora Irene Revês, no Casarão Cherer, e no Grupo Escolar , construída no Governo Leonel DE Moura(Brizola), chamada( Brizoletas).Anos depois passou a estudar no Pavilhão da Igreja, e na escola Estadual de Planalto, hoje chamada Instituto Estadual de Educação Padre Vitório.
       Prosseguiu seus estudos do ensino médio no Colégio Comercial Estadual de Iraí, cursando Técnico de contabilidade. Em 1975 prestou vestibular na UPF e formou-se em  Educação Física, anos depois fez Pós Graduação.Casou-se em 1979 em Planalto com Ilda Zanella, teve três filhos, Gabriela, Shanna e Sérgio Júnior, tem uma filha casada e um neto.

       Trabalhou na Escola Cristo Redentor de Alpestre; Escola Ilda Saffer  Variza em Seberi; Escola Alfredo Westphalen como professor e coordenador de esporte em Seberi;  Diretor administrativo do Hospital Pio XII em Seberi; Gerente deda Empresa Comércio de Bebidas Alto Uruguai LTDA EM Planalto; Membro do Conselho Municipal de Planalto; Técnico de voleibol do Técnico do Cruzeiro e Independente Futebol Clube e preparador físico da equipe do S.R.R. Bafo; Vereador  de Planalto no período de 2001/2004, pelo partido do PDT.
        Fundador da Escolinha de voleibol no ano de 1992; Fundador da escolinha de futsal em 1995, obtendo através destas, muitas conquistas  para o Instituto Estadual de Educação Padre Vitório; Professor Municipal de Planalto e atual  Diretor do Instituto Estadual de Educação Padre Vitório.Amante do Esporte.

                    Agradecimento especial ao Senhor Diretor Sérgio Giroldi, Muito Obrigado!


 Um Padre amigo 

 Numa pequena vila Chegou um padre novo 
Ele foi recebido de braços abertos 
Com carinho pelo povo 
Desejando boas vindas 
 Com aplausos caloroso 
 Trabalhou muito tempo 
Com amor e dedicação. 
Ele dizia sempre 
Que todos somos irmãos
 Que devemos compartilhar 
E comer do mesmo pão 
 Para visitar as capelas 
Ele andava a cavalo
 As estradas eram péssimas 
Com pedras, buracos e barro
. Ele usava um pala branco
 Chapéu grande com barbicacho ralo.
 Quando o padre ia ao interior 
Um fotógrafo acompanhava,
 Sempre ao lado dele 
Os dois conversavam.
 Um a cavalo, outro a pé,
 De suor às vezes se banhavam.
 Depois de certo tempo 
O padre comprou um carro usado,
 Convidava o fotógrafo 
Que estava sempre ao seu lado
 Além de fazer companhia 
Empurrava o carro atolado.
Na sagrada eucaristia
 O padre era chamado, 
 Lá estava o fotógrafo,
 Pelo povo convidado 
Fotografando padre e comungante
 Com as catequistas ao lado.
 O padre era caridoso 
Para todos queria o bem 
Ele pregava ao povo 
Que existe outra vida além. 
Porque a vida é como ferrugem
 Pouco a pouco come tudo o que tem. 
 Hoje não está mais aqui 
Foi receber a recompensa 
De todo trabalho que fez, 
Sem haver uma desavença 
Cristo o guarde sempre 
Com a tua presença. 
 Nós devemos seguir os passos
 Do Padre Vitório, era o nome.
 Dando sempre bom exemplo,
 Que isto a terra não come.
 Ele era amigo de todos 
Serráglio era o sobrenome
. Ainda hoje acho falta 
Pelo seu companheirismo 
Não tenho mais o melhor amigo
 Que foi morar no exílio.
 Ele está junto de Deus
 Com os santos com muito brilho.

 Poesia escrita por Silvestre Loro no dia 27/08/2004, em homenagem ao nosso Querido Padre Vitório.

No dia da Escola

I.E.E.Padre Vitório


A turminha do 4º ano 

Faz Homenagem ao  Padre Vitório

Hingridy declama a poesia do Senhor Silvestre Loro
Gustavo representa  Padre Vitório
João representa o fotógrafo
Hélio relata a Biografia do Padre Vitório Serráglio
Parabéns crianças!
Ótimo trabalho!

Gustavo representando Padre Vitório

Hingridy declamando a poesia



O autor da poesia, Silvestre Loro não escondeu a emoção.





Agradecimento especial de toda a turma





Hélio relata a história do Padre Vitório








Maquetes 
Minha Escola



Comentários sobre o trabalho realizado, apresentação e exposição das maquetes













Turma do 4º ano recebe o Ex Diretor Senhor Odair Zanatta
Nosso querido professor e amigo foi recebido com muita alegria, pois todos queriam saber como era a escola no período em que atuou como diretor.
Nosso coleguinha Júnior conduziu a entrevista com dedicação e muita empolgação.
Queremos agradecer ao Senhor Odair Zanatta pela atenção dedicada a este importante trabalho.





























Turma do 4º ano recebe a visita do Diretor!
No dia 03 de setembro de 2013 nossa turma recebe mais uma visita importante  na história de nossa escola.
Com o intuito de conhecermos melhor nosso querido Diretor e suas atribuições na escola, foi realizada uma entrevista, na qual a nossa querida colega Mercedes desenvolveu com muito entusiasmo.

Querido Diretor Sérgio!
Suas decisões, sua compreensão, sua determinação são o que tornam a nossa escola próspera e educadora.





























 Queremos agradecer o Senhor Diretor Sérgio Giroldi  pelo carinho, atenção e dedicação.
Nosso muito obrigado



“Senhor, conceda-me a serenidade para aceitar aquilo que não posso mudar, a coragem para mudar o que me for possível e a sabedoria para saber discernir entre as duas. Vivendo um dia de cada vez, apreciando um momento de cada vez, recebendo as dificuldades como um caminho para paz, aceitando este mundo cheio de pecados como ele é, assim como fez Jesus, e não como gostaria que ele fosse; Confiando que o Senhor fará tudo dar certo se eu me entregar à Sua vontade;Pois assim poderei ser razoavelmente feliz nesta vida e supremamente feliz na outra.”Amém!




Entrevista 

Senhora Ana Maria Pivatto



Entrevista realizada no dia 27 de maio de 2013, sala do 4º ano Professora Edelice
Nossa colega Patrícia fez uma entrevista com a nossa ex diretora Senhora Ana Maria Pivatto, no qual nos revelou muitos fatos e acontecimentos dos anos em que atuou na escola como professora e  diretora.





































Um carinho especial foi demonstrado pelas crianças, com direito a abraços e autógrafos. 
Isso é muito importante para a formação do ser humano, a valorização das pessoas  que ajudaram a construir nosso município e nossa escola.
Dona Ana!
 Agradecemos de coração sua presença, sua dedicação e carinho. Nosso Muito Obrigado!

Nome Ana Maria Salvon Pivatto
Data de nascimento: 07/12/1932
Naturalidade:Encantado RS
Filiação:  Luiz Salvon e Antônia Sotilli
Estudou: Escola Regional Normal Bandeirantes, Guaporé
Normal em Palmeiras das Missões
Começou: Como professora no Município de Encantado
Na Escola Municipal D. João Becker
Como era a escola nestes anos? Funcionavam todas as séries com apenas uma professora, alunos dos 7 aos 16 anos todos na mesma sala.
Os pais participavam?  Um pouco, pois não tinham tempo.
Quais as maiores mudanças em nossa escola? Os professores formados
Nossa escola completou 47 anos como a senhora se sente sabendo que fez parte desta história? Tenho muito orgulho de ver como cresceu e que muitos dos professores de hoje foram meus alunos.
Se tivesse a oportunidade de voltar no tempo em que era diretora, o que a senhora mudaria? Sem dúvida, voltaria. Na época tinha menos experiência não há na escola uma base para que a gente pudesse se basear.
Como era sua relação com os alunos? Era muito boa, mas, eu era muito enérgica.
O que mudou em relação aos alunos de hoje? Não mudou muito só as oportunidades eram poucas.
A Senhora sente saudades da época em que era diretora? Como diretora não, mas, como professora sim.

Conte-nos sua experiência como Diretora: Como diretora não foi fácil na época faltava tudo, mas como professora a melhor experiência foi como professora da 1ª série.












Um comentário:

  1. Que bonita a história do IEE Pe. Vitorio - parabéns a professora que o está organizando. Tive o prazer de estudar por quatro anos no estabelecimento. E ajudei a escolher o nome atual, em eleição no ano de 1984 ou 1985, nao lembro exatamente. Iniciei em 1983 e formei no 2 grau ( na epoca) em 1985 e fiz o curso Tecnico de Contabilidade em 1986. Bons tempos, ótimas lembranças.

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!